Galinha velha é que dá bom caldo

Uriah Heep | Um dia, um sonho

(To read this post in English: The older you get, the better you get – unless you’re a banana)

No sul da Holanda, quase na divisa com a Bélgica, está localizada a pequena e encantadora Bergen op Zoom, uma cidade que abriga um dos únicos portais medievais que ainda restam no país. Mas o motivo que me levou a visitar essa pitoresca vila de nome esquisito no dia 1° de maio de 2013 foi outro: assistir ao show de uma banda pela qual sou apaixonada desde os meus 14 anos, o lendário *Uriah Heep*, e de lambuja participar de uma exclusiva festa de confraternização de fãs e conhecer pessoalmente alguns amigos até então virtuais, os “Heepsters“. 

1 Begen IMG_7338Essa foi a minha primeira vez na Holanda, e ao chegar as coisas que logo de cara chamaram a minha atenção foram: (1) a internet wifi gratuita no trem (2) a quantidade insana de bicicletas (3) as lindas tulipas e outras flores multi-coloridas por todo lado (4) o idioma quase alienígena…!

Na manhã do dia 2 saí a pé para fazer um reconhecimento de território, ver um pouco da cidade e descobrir qual o melhor trajeto para chegar ao local do show. No caminho passei por uma praça onde estava acontecendo uma feira-livre com uma variedade de barracas bem singular: peças para bike, queijos, carnes, peixes, flores, cosméticos, frutas, roupas, produtos de limpeza e etc.

1 Bergen IMG_7354Em uma esquina perto dali avistei o tão famoso portal medieval entre duas grandes torres. Enquanto eu tirava uma foto, um tiozinho meio pancada (é ele na foto ao lado, camiseta verde, jaqueta preta e chapéu engraçado…) se aproximou e me contou que num passado distante a ciumenta marquesa de Bergen op Zoom teria aprisionado seu amante dentro da torre e o mantido lá até a morte, pra se vingar de uma traição. Hahaha a moça não era de brincadeira!! Não consegui confirmar a veracidade da estória, mas o fato é que o Gevangenpoort (ou “Portal do Prisioneiro“) foi construído em 1335 como entrada principal para a cidade, que originalmente era fortificada e cercada por água, e que de 1485 até 1931 as torres foram utilizadas como prisão. Infelizmente os muros de pedra que protegiam a cidade já não existem mais. Atualmente este é o monumento histórico mais antigo e importante da região.

Voltei para o hotel pra comer qualquer coisa e checar os emails, e às 4h30 descobri que a confraternização estava marcada pra começar às 4hs!! Saí correndo (literalmente) e ao chegar lá, esbaforida, vi que as pessoas estavam reunidas no saguão de entrada da casa de espetáculo. Por um instante hesitei no meio da escadaria de entrada, só observando, sem saber bem o que fazer, mas nem 5 minutos se passaram e o Evert, o amigo virtual que no começo do ano me falou sobre esse evento, me reconheceu e veio me recepcionar, munido de um sorriso enorme, um crachá e um CD do Ken Hensley de presente! Super simpático, me explicou que naquele momento estava rolando um “quiz” – um teste sobre a banda elaborado por ele mesmo, e me entregou um formulário. Li as perguntas e não me atrevi a participar, eram quase todas de nível PhD-Master-Expert, do tipo: Que música do álbum X consta na versão européia do disco mas não na americana? (Eita que estamos falando de uma banda que já lançou 23 álbuns de estúdio, desde 1969!! :roll:) ou “Quem toca mellotron na música Y?“. (Ahhh se pelo menos eu soubesse o que é um “mellotron”…). O Evert é o maior colecionador de UH que eu conheço, ele até mesmo mantém um website (bem bacana por sinal) com a discografia que ele possui da banda e fotos dos shows que ele presenciou. O link para a cobertura que ele fez deste dia está aqui.

O Evert também me apresentou para mais um monte de outros Heepsters, e todos foram muito bacanas comigo, Louis, Marije, Staf, Jim, Lars, Nadia, Egil, Marianne, Elina, Joke… Me senti acolhida entre amigos!

… E enquanto isso a banda fazia a passagem de som fechada no salão principal da casa, o que podia ser acompanhado ao vivo em um telão, e o Evert me confidenciou que em breve eles se juntariam a nós…

Como você estaria se sentindo se estivesse prestes a encontrar seus maiores ídolos pessoalmente…???

A ansiedade vai a mil. Você sente que as pessoas ao seu redor também estão na mesma expectativa e a vibração é fantástica, mas você não consegue evitar pensar: Será que vai dar pra pelo menos chegar perto deles?” “Será que eu vou conseguir um autógrafo?”  “Será que eu vou conseguir tirar uma foto?. O tempo se arrasta como um caracol de jardim, um minuto dura uma eternidade, mas lentamente aquele tão sonhado momento mágico vai finalmente se aproximando…

Assim que a banda terminou seus ajustes técnicos teve início um leilão com algumas preciosidades autografadas ali na hora: CDs, violões, pôsteres, quadros, tudo com direito a foto, e os recursos angariados foram destinados ao The Nightingale, um centro de suporte a pessoas que sofrem com câncer.

With Mick BoxTerminado o leilão, o Evert me ajudou e me apresentou pro formidável guitarrista *Mick Box*, “alma” do UH. Eu senti nele uma energia tão boa que parecia surreal, fui hipnotizada pelo seu sorriso honesto e amistoso. Radiante, ele autografou as capas dos álbuns que eu tinha levado do Brasil (pena que não dava pra levar também meus vinis…!) e posou pra foto comigo!!

Após isso tudo, pra encerrar a tarde, teve uma “drum clinic” com o fenomenal baterista Russell Gilbrook, que deu um show de percussão. E de quebra ainda ganhei dele uma baqueta autografada como souvenir!!

Calma aê que tem mais!!!

Voltei pro hotel e foi só o tempo de tomar um banho rápido e estava na hora de voltar pro show…

E que show histórico!!! Afastado para realizar um procedimento médico, Bernie Shaw foi substituído por John Lawton, que era o vocalista da banda durante a década de 70. Por conta disso houve algumas alterações no set list habitual dessa turnê, e os fãs foram 3 Gig IMG_7436brindados com uma seleção especialíssima de clássicos das antigas. A parte chata foi a ausência do baixista Trevor Bolder, afastado desde o começo do ano para se tratar de um câncer, e que terrivelmente veio a falecer pouco tempo depois… Não que o seu substituto Davey Rimmer não seja ótimo, ele é, mas Trevor era verdadeiramente uma lenda…

Do set list original ao lado, “Free Me” não pôde ser tocada devido a um problema técnico com uma guitarra, e pelo mesmo motivo The Wizard foi executada no final do show.

Outra peculiaridade deste show foi que John fez uso de uma “cola” para se lembrar da letra da “relativamente nova” Against The Odds, lançada em 1995.

3 Gig 2013-07-13 14.47.48Uma importantíssima tradição nos shows do UH é que quando eles tocam a clássica “Free and Easy“, eles pedem que algumas garotas subam no palco para agitar com eles. E adivinha só quem FUI uma das sortudas da vez…?

Terminado o show ainda tive a oportunidade de conversar rapidamente com o formidável tecladista Phil Lanzon, e encerrei a noite em um pequeno pub com a Marije, o Egil, o Dave e o Russell.

Dá pra acreditar??? Que dia inesquecível!! É mole ou quer mais?

Clique AQUI para ver mais fotos…

4 After IMG_7444******************************************************
Uma vez mais quero agradecer ao Evert e a todos os outros amigos Heepsters que me propiciaram viver um dia assim tão fabuloso!!!! Vocês são o máximo!!!
*******************************************************

VOCÊ TAMBÉM PODE viver uma experiência assim com a sua banda favorita!! É só seguir o caminho das pedras:

Ao planejar a viagem estabeleci que um dos meus objetivos seria assistir ao maior número possível de shows de rock no exterior, uma vez que muitas bandas não vêm ao Brasil nunca ou, quando vêm, os preços dos ingressos são sempre uma piada. Nessa brincadeira de pesquisar a agenda das bandas me cadastrei no fórum de discussão do Uriah Heep, que é uma das minhas bandas favoritas (caso você nunca tenha ouvido falar deles: com suas letras sofisticadas, melodias marcantes e harmonias vocais quíntuplas, o UH está entre as 4 bandas mais importantes da década de 70, juntamente com Led Zeppelin, Black Sabbath e Deep Purple). Passados alguns dias recebendo emails do grupo, pensei: Se esses caras curtem UH, então o gosto musical deles deve bater com o meu. E mandei minha primeira mensagem, me apresentando, contando sobre a viagem, e pedindo dicas. A resposta veio a cavalo: o “Heepster” Evert me respondeu que ia rolar um show no dia 2 de maio em uma cidadezinha da Holanda, com direito a uma festa de confraternização super-exclusiva para 100 fãs e possivelmente até um encontro com a banda… Ele me mandou um passo-a-passo de como comprar os ingressos – afinal o website era todo em holandês! Bom, o resto você já sabe… 😉

Anúncios

Uma opinião sobre “Galinha velha é que dá bom caldo”

Não seja tímido, eu ADORO comentários!! Deixe o seu aqui:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s